top of page
central-cop-30-belem-2025.gif

Empresa paraense é referência na bioeconomia aliando saberes tradicionais com a tecnologia

A 100% Amazônia já fornece bioingredientes da região para indústrias de mais de 65 países

Fernanda Stefani, CEO da 100% Amazônia

Como beneficiar cerca de 590 famílias, gerando emprego e renda, e ainda contribuir para a conservação de mais de 160 mil hectares da Amazônia? Pergunte a Fernanda Stefani e Jô Alves, que em 2009 criaram, no Pará, a 100% Amazônia, apostando no potencial da conservação da floresta para agregação de valor e transformação do modelo de desenvolvimento econômico.


Com foco no fornecimento de produtos não-madeireiros para indústrias das áreas de cosméticos e alimentos, a 100% Amazônia estabelece a conexão das populações originárias e agricultores familiares com as empresas, aliando conhecimento tradicional com inovação e tecnologia para manter a floresta em pé.


Referência no beneficiamento, exportação e articulação da cadeia da bioeconomia, a marca conta hoje com portfolio com cerca de 50 bioingredientes oriundos de 25 espécies típicas e que chegam a mais de 65 países.


Porém, a CEO da 100% Amazônia, Fernanda Stefani, avalia que o destaque é o impacto social e ambiental que o negócio propõe. “Ao longo de 17 anos, dedicados a aprender com povos e comunidades locais como aliar tecnologia ao conhecimento ancestral para desenvolver cadeias de extrativismo sustentável, nos tornamos ponte de conexão entre produtores e empresas. Construindo relações de comércio justo e ético”, pontua a CEO.


A 100% Amazônia é caracterizada como uma empresa do Sistema B, que articula empreendimentos para construir uma economia mais inclusiva e equitativa para todos, ambiental e socialmente falando.


Um dos principais desafios encontrados pela 100% Amazônia foi solucionar dificuldades logísticas para escoamento dos recursos naturais, a falta de verticalização e a baixa escala das produções.


E uma das soluções encontradas foi a construção de uma fábrica no município de Abaetetuba, onde são processados açaí, polpas congeladas, óleos e manteigas. O diferencial é a adequação do processo produtivo ao tempo da floresta, garantindo a regeneração e a oferta de itens diferentes a cada estação.


Para Stefani, esse é um exemplo de como é possível promover uma economia que não seja pautada na devastação. “Entendemos que não há futuro para a Amazônia se não transformarmos a forma como nos relacionamos com ela hoje. Precisamos educar a sociedade para a conscientização do consumo, aprimorar políticas de preservação e cobrar o setor privado para mudanças sustentáveis concretas”, acrescenta.


O cenário atual de maior evidência da bioeconomia é animador para a CEO, que vê que essa perspectiva de integração com a natureza e as pessoas pode impulsionar também para mudanças nas relações entre as demais empresas.


“Buscamos inspirar outros negócios a atuarem a favor da floresta, beneficiando todos ao seu entorno. Não enxergamos concorrentes dentro da bioeconomia, mas sim parceiros em busca de um mesmo propósito: fomentar e desenvolver as oportunidades existentes na floresta”, ressalta Stefani.


Fonte: Pará Terra Boa


VEJA MAIS

Comentários


Últimas notícias

Publique uma notícia

bottom of page