top of page
Belem-negocios-connection.gif

Novo produto: café de açaí será regulamentado pela primeira vez

Durante reunião na Alepa, pesquisadores da UFPA, UEPA e UFRA se uniram para analisar as propriedades do novo produto e garantir o consumo seguro

Pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA), Universidade do Estado do Pará (UEPA) e Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) deram o prazo de até quatro meses para que o café de açaí seja regulamentado e liberado para venda nos centros comerciais do Pará. O encontro ocorreu na Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), na última terça-feira (18), e contou com a presença de representantes do setor produtivo e órgãos de fiscalização e controle. As instituições estão empenhadas em certificar se, de fato, o produto é próprio para o consumo, bem como, encontrar as melhores formas de armazenamento do mesmo. A pesquisa está voltada, no momento, para a parte produtiva e técnica do café de açaí, a partir do levantamento de dados que possam garantir que a produção em larga escala e artesanal tenham o mesmo tipo de qualidade.


“A garantia de que possa fazer mal, fazer bem, ainda não está certificada, baseada em dados científicos comprováveis, então, para que a gente possa fornecer esses dados, as universidades entraram em conjunto para trabalhar”, afirma Nilton Muto, professor do Centro de Compostos Bioativos da Amazônia da UFPA e um dos pesquisadores envolvidos no trabalho. Nilton também aponta que a reunião foi com o objetivo de entrar no processo de certificação do café de açaí. Segundo ele, houve uma grande demanda da população para que o produto fosse legitimado e garantido como não prejudicial.


O contexto todo da análise conta, com a participação da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará). Somado a isso, a UFPA está responsável pela parte toxicológica do estudo, enquanto que a Uepa está encarregada na parte físico-química e a Ufra trabalha na questão microbiológica. “Como é um trabalho muito grande, seria difícil que somente uma instituição ficasse responsável por esse processo. Por isso, a gente resolveu, para dar uma celeridade maior na execução e na aprovação desses dados, dividir essas partes”, afirma Nilton Muto.


Resultados

Diego Aires, professor da UEPA, destaca que muitos comerciantes sentiam falta de um armazenamento adequado, “então, a gente focou um pouco nesse lado para que pudesse fornecer esses dados das melhores condições de armazenamento do produto para eles. Mesmo sendo o produto torrado ou sem ser torrado, para que eles pudessem ter esses parâmetros melhor definidos. A partir dos produtores, os órgãos começaram a se unir”. Portanto, alguns dados da pesquisa, que já animam os produtores, apontam para a melhor forma de condicionar o café de açaí.


A expectativa é que o foco dos estudos seja voltado para as análises bioquímicas nas próximas semanas. Para isso, recursos financeiros devem ser liberados por instituições parceiras. “A gente pode dizer que já teremos os resultados em breve. Do ponto de vista que vemos hoje, acredito que em quatro meses vamos conseguir chegar na Adepará e demais órgãos para mostrar os dados técnicos. A partir disso, eles vão decidir dentro dos parâmetros que vamos fornecer. É um alento para os produtores”, acrescenta o pesquisador da UEPA.


Setor produtivo espera regularização

Orlando Nascimento da Silva, presidente da Associação Brasileira das Indústrias Produtoras de Café de Açaí (Abica), relembra do momento de dificuldade para os produtores, quando um memorando da vigilância sanitária fechou as fábricas do Pará. “Um total de mais de cinquenta fabricantes foram retirados dos supermercados da Grande Belém e do interior. Com isso, prejudicou muito o nosso trabalho. Mais de mil pessoas ficaram desempregadas. Junto ao governo do estado estamos tentando regularizar primeiro o Pará, através da Adepará, e depois a nível nacional, pelo Mapa [Ministério da Agricultura e Pecuária]”, afirma.


VEJA MAIS


Comments


Últimas notícias

Publique uma notícia

bottom of page