top of page
central-cop-30-belem-2025.gif

Como Iniciar um Negócio no Comércio Eletrônico

Alexandre Elias, CMO da Rcell, líder de distribuição de smartphone e games para os maiores varejistas do Brasil, explica como ingressar no e-commerce de forma assertiva



Com o avanço tecnológico e as transformações constantes, muitos negócios já vinham se adaptando ao mundo digital. Entretanto, a pandemia acelerou a migração e grande parte das empresas teve que se reinventar rapidamente para continuar as vendas no on-line.


O que antes era um processo opcional, hoje a empresa que ainda não aderiu ao e-commerce deve começar a pensar estrategicamente para inserir-se nesse negócio, pois este se tornou fundamental, visto que vivemos uma era tecnológica com grande parte da população hiper conectada. Ou seja, por meio dos negócios on-line o alcance se torna ainda maior e atraente.


Pensando neste cenário de oportunidades e afim de auxiliar os empreendedores a terem sucesso no comércio on-line, a Rcell desenvolveu uma plataforma digital com materiais de suporte para pequenos e médios lojistas. "Além dos serviços com os quais os clientes já contam como: emissão de boletos, envio de documentação, rastreamento de carga, entre outros, a plataforma também inclui um blog com dicas para alavancar sua empresa”, informa Alexandre Elias, CMO do Grupo Rcell.


Para auxiliar os varejistas a terem sucesso do comércio digital, Alexandre Elias, elencou 11 dicas. Confira!


Não perca mais tempo - Se você ainda não está vendendo on-line, comece o quanto antes, para não deixar que a concorrência siga atropelando você. Quem já embarcou no e-commerce vai fazer de tudo para não perder o espaço conquistado. Mas nunca é tarde para começar;


Comece pelo básico - Não há necessidade de fazer altos investimentos para começar a vender on-line. É possível entrar na onda do e-commerce investindo pouco, de modo que o custo inicial não desequilibre suas contas e permita, ao mesmo tempo, que você dê seus primeiros passos no território das vendas digitais;



Registre um bom domínio - Sem um endereço eletrônico (URL), não existe e-commerce. Na hora de registrá-lo, procure incluir uma palavra estratégica que defina seu negócio. Tente usar nomes curtos e fáceis de lembrar. Sites como Locaweb e Kinghost, entre outros, podem auxiliar com o registro do domínio;


Escolha sua plataforma - O passo seguinte é escolher uma boa plataforma para e-commerce. As opções são inúmeras e a preços bastante razoáveis. Sites como Shopify, Wix e Magento, são bons pontos de partida. Depois de escolher um plano de mensalidade, você só precisará configurar a plataforma e cadastrar seus produtos. Avalie quais funcionalidades o site oferece, se ela permite integração com os principais meios de pagamento;


Capriche no visual - Economizar na criação de uma identidade pode ser um tiro no pé. Lá na frente, se você tiver que reformular, a dor de cabeça tenderá a ser grande. O melhor é contratar um profissional especializado para cuidar disso, pois ele será capaz de desenvolver não só um logotipo, mas todo o planejamento visual que garantirá ao seu e-commerce uma imagem clara, confiável e identificável;


Meios de pagamento- Integrar a loja on-line com o sistema de boletos do seu banco e com as operadoras de cartão de crédito costuma significar alguma economia com taxas, mas dá um trabalho danado – e você ainda fica responsável, dependendo do caso, pela prevenção contra fraudes. Por isso, pode ser uma boa ideia recorrer aos intermediadores de pagamento, que fazem a ponte entre sua loja virtual e as instituições financeiras;


Use marketplaces - Os shoppings digitais conhecidos como marketplaces – Mercado Livre, Americanas, Submarino, Shoppe, Amazon, Google Shopping e Facebook Shopping, entre outros – são a maneira mais rápida e prática de expor seus produtos a uma grande audiência. Existem várias plataformas de e-commerce (como VTEX e Magento) que oferecem integrações nativas com os principais marketplaces;


Abuse das redes - Instagram e Facebook são ótimas ferramentas para impulsionar suas vendas on-line. Além de estimularem a compra por impulso, elas aproximam o lojista dos consumidores e facilitam bastante a sua vida, por exemplo, na hora de tirar dúvidas sobre determinado produto ou divulgar promoções;


Experiência do usuário - Tente enxergar seu e-commerce sob a ótica do cliente, colocando-se no lugar dele no momento da compra. Exemplo: muitos consumidores preferem fazer suas compras por meio de dispositivos móveis. Nesse caso, é importante que sua loja virtual funcione bem em celulares;


Logística e frete - Como você vai entregar o produto comprado pela internet? E como vai calcular o custo do frete? Sem equacionar essas questões, seu e-commerce não tem como funcionar. Os Correios costumam ser a primeira opção de quem começa um e-commerce do zero, e você pode optar também pela terceirização do serviço de entrega, contratando uma transportadora. Além disso, existe ainda a possibilidade de contratar um motoboy, caso a entrega seja local. O mais importante, qualquer que seja sua escolha, é não prometer prazos que você não consiga cumprir;


Entenda a legislação - Sim, existe uma legislação específica para o e-commerce que prevê uma série de boas práticas, entre elas: as informações sobre o produto e seu fornecedor precisam estar descritas de forma clara, incluindo dados como razão social, CNPJ e telefone para contato; os produtos comercializados deverão ser acompanhados de uma descrição técnica, informando cores, peso, tamanho e demais características essenciais; o e-commerce deverá disponibilizar um canal eletrônico para contato do consumidor, como chat ou endereço de e-mail; informações sobre condições de pagamento, entrega e políticas de troca e devolução devem ser claras e completas.



Sobre a Rcell: A Rcell é a maior distribuidora de capital fechado de eletrônicos do País. Com 20 anos de tradição e cobertura logística que alcança mais de 28 mil pontos de vendas em todas as regiões do Brasil. Dispõe de quatro Centros de Distribuição (CDs), localizados em: São Paulo, Espírito Santo e Santa Catarina.


É a distribuidora oficial de mais de 30 fabricantes, dentre os quais smartphones da Samsung, Motorola e Philco, dos notebooks Samsung, Philco e Asus, dos videogames PlayStation, Nintendo, dos jogos da Warner Games, marcando presença no esport com Trust. Em 2020, anunciou as parcerias para a distribuição de produtos das marcas Electrolux, Whirlpool (Brastemp e Consul), Black & Decker, Panasonic, Canon entre outras. Recentemente firmou parceria com a Qualcomm para distribuição dos celulares da marca Acer com chip Snapdragon e 5G no país.


Veja também:

 

Conheça a "Comunidade Belém Negócios". Faça networking e desenvolva novas habilidades. Siga o nosso perfil no Instagram.

Comments


Últimas notícias

Publique uma notícia

bottom of page