top of page
Belem-negocios-connection.gif

Startup Quer Transformar Prédios Em Fazendas Solares Verticais

Outras empresas já fazem isso, mas acontece que esta Startup está fabricando vidros normais — só que são painéis solares

Startup Quer Transformar Prédios Em Fazendas Solares Verticais
Energia solar capturada em janelas instaladas na Universidade Estadual de Michigan. Foto: Onipresente

Uma startup está levantando dezenas de milhões de dólares para transformar janelas em superfícies que capturam energia solar. A startup da Califórnia anunciou na terça-feira, 11, que fechou uma rodada de financiamento de US$ 30 milhões, incluindo um investimento da gigante de fabricação de janelas e portas Andersen Corporation, elevando seu financiamento total para US$ 70 milhões.


A Ubiquitous Energy criou um revestimento para janelas que usa materiais semicondutores para converter a luz solar em eletricidade. O revestimento é apenas nanômetros de espessura e fios minúsculos que conectam a janela solar a sistemas elétricos onde a energia é usada.


A empresa usará o financiamento mais recente para fazer trabalhos de pesquisa e desenvolvimento de manufatura, disse a CEO Susan Stone à CNBC. A Ubiquitous pretende produzir em escala até o início de 2024.


Quando chegarem lá...


"Seremos capazes de fazer vidro do chão ao teto", disse Stone. "Podemos transformar arranha-céus em fazendas solares verticais", disse Stone.


A Ubiquitous também tem como alvo o mercado residencial doméstico, o que torna o investimento de Anderson particularmente estratégico. Anderson é uma empresa privada e não divulga suas finanças, mas disse à CNBC que teve receitas superiores a US$ 3 bilhões em 2021.


Anderson ficou particularmente impressionado com a Ubiquitous porque seu filme solar é claro e discretamente integrado ao quadro da janela.


"Embora existam tecnologias concorrentes de janelas solares em desenvolvimento, a maioria tem tradeoffs em transparência, cor, obstrução da área de visualização, neblina ou eficiência energética, tornando desafiador para os consumidores aceitá-las como alternativas às janelas padrão", escreveram Prabhakar (KP) Karri e Karl Halling, que lideraram o investimento da empresa em uma resposta à consulta da CNBC.


Stone sabe que essa transparência é a chave para o sucesso.


"Eles têm que parecer indistinguíveis das janelas tradicionais, ou não veremos a implantação em massa", disse Stone. "A estética é nossa luz guia."


30% mais caro que vidro de janela normal


O aumento de US$ 30 milhões é uma ponte para deixar a empresa pronta para fabricar depois de mais de uma década de trabalho. A Ubiquitous foi fundada em 2011 e sua tecnologia nasceu do trabalho feito por cientistas e engenheiros do Massachusetts Institute of Technology e da Michigan State University.


Desde então, mais investidores e consumidores passaram a acreditar que o enfrentamento das mudanças climáticas é uma prioridade urgente. Ubiquitous e seus investidores estão confiando nesse senso de urgência para estimular a demanda por seu produto, apesar de seu custo mais alto — os painéis de janelas de eletricidade solar são projetados para ser cerca de 30% mais caros do que o vidro normal que entra em janelas quando a produção chega à escala, disse Stone à CNBC.


O vidro solar também é menos eficiente do que os painéis solares tradicionais, que operam com no máximo 22% de eficiência — uma medida da quantidade de luz solar que cai na superfície de um painel solar e é convertida em eletricidade.


Janelas de energia instaladas no Boulder Commons no Colorado. Foto: Energia Onipresente

A Ubiquitous tem uma janela em seu pipeline de pesquisa e desenvolvimento que oferecerá cerca de 10% de eficiência, ou "cerca de metade da energia solar convencional", disse Stone, mas seus máximos teóricos são cerca de dois terços da eficiência potencial dos painéis solares regulares.


Parte dessa menor eficiência é apenas porque as janelas são verticais, enquanto os painéis solares se colocam horizontalmente, permitindo-lhes coletar luz solar mais direta.


"Mas permitimos que uma superfície que já não gerasse energia para gerar eletricidade", disse Stone.


"O vidro sempre foi passivo, e estamos tornando-o ativo aqui."


Até 2050, a Ubiquitous espera ter um bilhão de metros quadrados de vidro instalado globalmente.


Essa é uma meta ambiciosa, e Stone está de olhos claros sobre os desafios que virão.


"Temos aplicações incríveis em todos os tipos de indústrias, como eletrônicos de consumo, como automóveis e até agricultura", disse Stone. "Então não vamos parar nas janelas."


(O conteúdo original está em CNBC)


Você já segue Belém Negócios no Instagram?


Comments


Últimas notícias

Publique uma notícia

bottom of page