top of page

Rodada de investimentos capta R$395 mil para negócios na Amazônia; veja mais

Em parceria com o Fundo Vale e através do Blended Finance, a Sitawi conseguiu captar investimentos pra cinco negócios amazônicos presentes no Pará, Amazonas e Tocantins

Bruno Girardi, diretor vice-presidente da Sitawi

A Sitawi Finanças do Bem finalizou em 72 horas a 14ª rodada de captação de investimentos. Foram captados R$ 395 mil que beneficiarão cinco projetos produtivos da região amazônica, nos estados do Pará, Amazonas e Tocantins. A abertura da rodada de investimentos de impacto socioambiental ocorreu na quinta-feira, 26, e foi encerrada no domingo, 29.


Para Bruno Girardi, diretor vice-presidente da Sitawi, há vários fatores que contribuíram para que a captação ocorresse tão rapidamente. "São projetos de grande potencial de desenvolvimento, com um retorno de 14% ao ano para o investidor, num cenário de queda da Selic. Isso seguramente contribuiu para atrair os investidores", pontua Girardi.


O diretor vice-presidente da Sitawi destaca, ainda, que a captação acelerada indica que o mercado está mais receptivo aos investimentos em negócios de impacto socioambiental. "Esses negócios estão se difundindo, as pessoas e empresas estão entendendo melhor o modelo, perdendo o medo de investir porque percebem que essas organizações representam um bom negócio, para o investidor e para sociedade", explica.


De acordo com Girardi, estes investimentos são chamados de "blended finance", uma forma de compatibilizar rentabilidade do mercado financeiro tradicional para os investidores, mas mesclando com empréstimos institucionais com taxas baixas ou zero, tornando o capital acessível para as organizações de impacto. "Seu maior apelo é que se destinam a projetos de impactos socioambientais reais e, ao mesmo tempo, garantem que o investidor tenha um retorno atrativo do capital", compara o diretor vice-presidente da Sitawi.


Esta rodada de captação teve a parceria estratégica do Fundo Vale, que possibilitou que a captação total da rodada atingisse R$ 795 mil. Na prática, o Fundo complementou a captação com mais R$ 400 mil, ou seja, aplicou praticamente R$ 1, a taxa zero, para cada real captado pela rodada, que caracterizou a formação de um matchfunding, ou seja, um financiamento coletivo alavancado por um investidor social que não busca retorno financeiro. "Esse aporte contribuiu para aumentarmos o acesso ao capital para os projetos. Assim, o tornamos mais paciente, diminuindo as taxas de juros para as organizações e preservando o retorno de mercado para o investidor", explica Girardi.


Para Gustavo Luz, diretor Executivo do Fundo Vale, iniciativas como essa são o foco do capital catalítico do Fundo. "Por meio da parceria com a Sitawi conseguimos dar acesso a pequenos investidores ao investimento de impacto e mobilizar capital para organizações na Amazônia, com modelos de negócio inovadores, que aliam geração de renda, valorização da cultura local e proteção dos recursos naturais, em um bioma tão importante para o mundo. Isso contribui para o nosso propósito de impulsionar uma economia mais sustentável, justa e inclusiva", destaca.


A rodada contou ainda com a parceria estratégica das organizações Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA) e da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID).


Projetos contemplados

As organizações que receberão os investimentos captados nesta rodada atuam basicamente na produção de alimentos e insumos para a indústria de cosméticos, bebidas e alimentos, de forma cooperada e sustentável. "Essas empresas foram selecionadas pelo seu alto potencial de gerar resultados econômicos e socioambientais positivos nas suas áreas de atuação. Os valores a serem investidos serão revertidos em capital de giro, aumento da produção e ações de comercialização que, por consequência, irão aumentar o impacto dessas organizações", detalha o diretor vice-presidente da Sitawi.


Tobasa – carvão ativado

Entre as organizações que serão beneficiadas está a Tobasa, empresa líder na produção e fornecimento de carvão ativado através do coco de babaçu, fruto nativo do Brasil. Localizada em Tocantinópolis, no Tocantins, a Tobasa conta com 180 funcionários e produz também óleo de babaçu, torta proteica, biomassas energéticas, farinhas amiláceas e álcool amiláceo. A empresa atua numa área de 300 mil hectares de florestas nativas manejadas pela comunidade local, gerando renda para 1.500 famílias, dentre eles pequenos e médios agricultores, e comunidades tradicionais: indígena e quebradeiras do coco de babaçu. A empresa possui reconhecimentos e prêmios nas áreas social, econômica e ambiental concedidos por organizações como a ONU, o SEBRAE, o INPI, e a FUNBIO, além da certificação empresa B, concedida a negócios que equilibram propósito e lucro, considerando o impacto de suas decisões em seus trabalhadores, clientes, fornecedores, comunidade e meio ambiente.


A Tobasa receberá R$ 300 mil em investimentos e vai aplicar esse valor em capital de giro e aumento na aquisição de matéria-prima, fundamentais para garantir o crescimento da organização.


Coopersapó – guaraná

Outro negócio que será beneficiado pela 14ª rodada é a Coopersapó, uma cooperativa de pequenos agricultores familiares da cidade de Maués, no Amazonas, que cultivam e comercializam guaraná em grãos e em pó. A Coopersapó, fundada para valorizar a floresta e a produção artesanal do guaraná, gera renda para 45 cooperados e 90% de suas vendas são para clientes do segmento B2B. O restante da produção é vendido in natura e destinado à merenda escolar para a Prefeitura de Maués. A cooperativa atua em um território amplo, denominado como região do Urupadi, que abrange 14 comunidades e sua produção está em torno de 50 toneladas por ano.


A Coopersapó receberá o investimento de R$ 200 mil, que será utilizado como capital de giro na safra de 2023.


ParaOil – óleos e manteigas

A ParaOil é outra empresa que obteve financiamento para alavancar a sua produção. Localizada no município de Acará, no Pará, a ParaOil é uma agroindústria que produz óleos e manteigas, utilizadas pelos setores cosmético e alimentício. A empresa possui três funcionários e o fornecimento da matéria prima, andiroba e cupuaçu, é feito por cerca de 20 famílias da comunidade ribeirinha e quilombola Boa Vista. Recentemente, a cadeia coletora começou a ser ampliada para a comunidade Acaraçu. Em 2022, a ParaOil produziu 4,2 toneladas de óleos e manteigas.


A agroindústria receberá R$ 120 mil, sendo que R$ 70 mil serão destinados para a compra de sementes e R$ 50 mil para finalizar sua unidade fabril.


Deveras – alimentos e conservas

Fundada em 2018, a Deveras produz alimentos com ingredientes da Amazônia de forma sustentável. Localizada em Santarém, no Pará, a empresa possui 25 produtos em seu portfólio, entre os quais geleias, licores, conservas e desidratados, que são comercializados local e nacionalmente. Conta, atualmente, com 24 fornecedores envolvidos em 11 cadeias produtivas e 6 comunidades extrativistas, que abrange uma área de 300 hectares na região do Baixo Amazonas. A operação também beneficia indiretamente 78 pessoas, das quais cerca de 80% são mulheres.


Hoje a organização conta com uma planta produtiva própria e seus clientes pertencem ao segmento B2B, sendo empórios e armazéns, e B2C, por meio de e-commerce. A empresa receberá o investimento de R$ 125 mil, recursos que serão aplicados em ações de marketing para comercializar uma nova linha de produtos, aquisição de embalagens e viabilizar o aumento na produção.


Flor de Jambu – alimentos e cosméticos

A Flor de Jambu é uma comercializadora de produtos amazônicos, feitos por pequenos e médios produtores. Os seus 32 fornecedores impactam mais de mil famílias e estão localizados em Rondônia, Amazonas, Acre e Pará. A empresa possui hoje mais de 100 produtos no seu portfólio, entre eles cerâmicas, cosméticos, chocolates, bebidas e geleias. Dentre os produtos disponíveis na plataforma online da Flor de Jambu, 21 têm origem na agricultura familiar, 9 produtos são de lideranças femininas, 17 são de pequenos e médios empreendedores, 7 de povos indígenas e 21 de ribeirinhos.


Os clientes da Flor de Jambu são restaurantes, empórios, cachaçarias, entre outros tipos de negócios e pessoas físicas, que compram através da sua plataforma online ou de sua loja física, na cidade de São Paulo. A empresa será contemplada com o financiamento de R$ 50 mil, valor que será investido em melhorias na plataforma de e-commerce, ampliação da área comercial e consultorias nas áreas de finanças e de marketing.


A partir de R$ 10

Os R$ 795 mil em investimentos obtidos pela captação da 14ª rodada, promovida pela Plataforma Sitawi, se somarão aos mais de R$ 30 milhões já mobilizados pela instituição por meio de sua frente de Investimento de Impacto, beneficiando mais de 60 organizações nos últimos 15 anos. Desde 2019, os investimentos para as rodadas da Sitawi são captados na plataforma emprestimocoletivo.com.br, a qual recebe aportes a partir de R$ 10, de forma a favorecer a democratização do investimento de impacto socioambiental positivo.


Fonte: TiInside


Leia Mais:

  • Descubra um novo jeito de fazer network e desenvolver novas habilidades com a Comunidade Belém Negócios

  • Faça parte do BlackStage, mentoria empresarial inédita no Norte do Brasil

  • Acompanhe todas as notícias do Belém Negócios, entre para o Grupo no WhatsApp

  • Belém Negócios lança iniciativa Oficina de Negócios, um ambiente exclusivo para quem quer começar a sua própria empresa



bottom of page