top of page
central-cop-30-belem-2025.gif

Qual É O Objetivo De Putin? Aqui Está O Que Você Precisa Saber

Quais são as reais motivações do líder russo e por que ele não vai parar enquanto não conseguir o que almeja


Qual É O Objetivo De Putin? Aqui Está O Que Você Precisa Saber
Vladimir Putin, o presidente da Rússia

O presidente russo Vladimir Putin está no centro das atenções enquanto a Rússia lança uma invasão à sua vizinha Ucrânia.


Houve vários relatos durante a noite de explosões, bombardeios e veículos militares russos entrando na Ucrânia de várias partes da fronteira com a Rússia, com um número crescente de vítimas sendo contabilizadas em ambos os lados.


A invasão da Ucrânia é um evento que muitos seguidores próximos do presidente temiam há meses e, de fato, anos.



Putin já havia ganhado a atenção do mundo no início desta semana depois que ordenou tropas em duas regiões pró-russas e separatistas no leste da Ucrânia e reconhecendo-as como estados independentes.


Autoridades ocidentais e analistas zombaram da afirmação de Putin de que as tropas russas enviadas para a região agirão como "pacificadoras", dizendo que o último movimento poderia ser um precursor de uma invasão maior da Ucrânia.


Analistas políticos têm previsto que a Rússia poderia puxar tal movimento por um tempo, dado um conflito contínuo nos Donbas entre separatistas, apoiados pela Rússia, e tropas ucranianas.


No entanto, as ações de Putin agora, com um ataque em maior escala, vêm mais cedo e parecem mais abrangentes do que muitos esperavam.


O Kremlin emitiu mais declarações na manhã de quinta-feira, dizendo que Putin decidiria quanto tempo a operação militar duraria "com base em seu progresso e objetivos". O porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, também disse a repórteres que a Ucrânia precisa ser "liberada", mas que "ninguém está falando sobre a ocupação da Ucrânia", segundo a Reuters.



A CNBC publicou um guia para o que está acontecendo na Ucrânia e por que isso importa:


Por que a Ucrânia?



O aumento dos temores de um conflito militar entre a Rússia e a Ucrânia está presente há algum tempo, e o leste da Ucrânia tem sido o local de uma guerra por procuração entre os dois países.


Logo após a anexação da Crimeia pela Rússia da Ucrânia em 2014, separatistas pró-russos proclamaram duas repúblicas na parte oriental do país: a República Popular de Donetsk e a República Popular de Luhansk — para consternação do governo ucraniano.


Desde então, tem havido escaramuças e combates na região, que é conhecida como Donbas, entre as tropas ucranianas e separatistas.


Alemanha e França tentaram intermediar acordos de paz entre a Rússia e a Ucrânia, conhecidos como "acordos de Minsk". E embora os combates em Donbas tenham sido pontuados por períodos de cessar-fogo, tanto a Ucrânia quanto a Rússia acusaram-se mutuamente de violar os termos dos acordos e os combates foram retomados.


O conflito armado nos Donbas, muitas vezes descrito como "guerra", já teve um alto custo humano, com 13.000 a 14.000 pessoas que se acredita terem sido mortas. Um medidor preciso do número de mortos é difícil de alcançar, dada a natureza da guerra civil do conflito.


Na terça-feira, Putin disse a repórteres que os "acordos de Minsk estavam mortos muito antes do reconhecimento de ontem [segunda-feira] das repúblicas do povo" e novamente culpou Kiev por seu fracasso.



O que a Rússia fez?


A Rússia negou muitas vezes que tenha apoiado separatistas no leste da Ucrânia, mas foi acusada de fornecer hardware militar aos rebeldes em uma tentativa de minar o governo, a soberania e a estabilidade política da Ucrânia.


Após sua invasão e anexação da Crimeia, que provocou sanções internacionais à Rússia, as autoridades ocidentais temiam que o objetivo final de Putin fosse invadir mais partes do país e instalar um regime pró-Rússia em Kiev.


A Rússia negou repetidamente que planeja invadir, mas a recente massa de mais de 100.000 soldados ao longo da fronteira com a Ucrânia, e mais soldados estacionados em seu aliado Bielorrússia para exercícios militares, só serviu para reforçar as preocupações de que uma incursão russa em larga escala seja iminente.


O reconhecimento da Rússia das autoproclamadas repúblicas no leste da Ucrânia na segunda-feira dá um selo oficial ao apoio de Moscou aos rebeldes lá, mas já tentou "russificar" a região oferecendo passaportes e cidadania russas aos residentes de lá.


Analistas políticos viram a mudança em 2019 como um precursor cínico de uma incursão porque se a Rússia optasse por invadir, poderia dizer que só estava fazendo isso para "proteger" seus cidadãos da Ucrânia. A mídia estatal russa já se concentrou nos residentes de Donbas que fugiram da região nos últimos dias, alegando que isso foi devido a bombardeios por parte dos militares ucranianos.


Sinalizando que a Rússia está seguindo tal estratégia, Putin justificou a ordenação de tropas para o leste da Ucrânia na terça-feira, dizendo que o reconhecimento de Moscou das "repúblicas" foi "ditado precisamente pelo fato de que a liderança ucraniana havia declarado publicamente que não iria cumprir esses acordos [de Minsk]".


"O que mais há para esperar?", Disse ele. Além disso, quando perguntado se a Rússia reconheceu apenas as fronteiras das repúblicas autodenominadas, ou além e incluindo as maiores regiões de Donetsk e Luhansk em que estão localizadas, Putin sinalizou que era esta última:


"No que diz respeito às fronteiras dentro das quais reconheceremos essas repúblicas, nós as reconhecemos, o que significa que reconhecemos seus documentos fundamentais, incluindo a Constituição, e a Constituição estipula suas fronteiras dentro das regiões de Donetsk e Luhansk na época em que faziam parte da Ucrânia."



O que Putin quer?


Essencialmente, a batalha sobre a Ucrânia é uma batalha por influência e poder. O governo da Ucrânia, agora sob o presidente Volodymyr Zelenskyy, tem votado em direção ao Ocidente nos últimos anos, aspirando a se juntar à UE e à OTAN e a se afastar de sua órbita pós-soviética da Rússia.


Putin, por sua vez, denunciou a dissolução da União Soviética como uma catástrofe e, ao longo de seus 22 anos de governo na Rússia, ele tem procurado reconstruir a base de poder da Rússia e a esfera de influência sobre os antigos Estados soviéticos, como a Bielorrússia, a Geórgia e a Ucrânia — algo como a joia na coroa na URSS, e um estado tampão natural contra a Europa.


Putin muitas vezes exaltou a unidade histórica da Rússia e da Ucrânia e o fez novamente na segunda-feira, quando ordenou tropas para os Donbas.


A deriva da Ucrânia em direção ao Ocidente agrava Moscou porque não quer ver a OTAN, ou a UE, expandir-se para o leste para incorporar a Ucrânia, apesar de não haver nenhuma perspectiva iminente de a Ucrânia se tornar um membro de nenhum dos órgãos.


Em dezembro, a Rússia exigiu garantias legais de que a Ucrânia nunca seria admitida na OTAN, mas essas exigências foram recusadas. Analistas disseram que Putin sabia que as exigências seriam rejeitadas, mas foi capaz de dizer que as preocupações de segurança da Rússia foram ignoradas, vendendo isso para o público russo através da mídia, a maioria dos quais é pró-Putin porque ou é controlado pelo Estado ou tem ligações com o governo.


Como tal, não é surpresa que a mídia estatal russa tenha repetidamente culpado a Ucrânia e o Ocidente por agravar as tensões na região de Donbas, acusando tanto de espalhar desinformação quanto de ignorar as exigências de segurança da Rússia.


As últimas ações da Rússia atraíram condenação internacional, com os EUA, UE, Japão, Austrália e Reino Unido anunciando novas sanções à Rússia, embora o país já tenha vivido sob sanções por sua anexação da Crimeia, interferência eleitoral dos EUA em 2016, ataques cibernéticos e muito mais.



Guerra total em mente?


Observadores próximos de Putin há muito acreditam que a Rússia se preparou para mais sanções e que Moscou tem um plano maior em mente quando se trata da Ucrânia, uma hipótese aparentemente comprovada pelos últimos acontecimentos na Ucrânia.


Timothy Ash, estrategista soberano sênior dos mercados emergentes da BlueBay Asset Management, disse em uma nota de pesquisa na terça-feira que o reconhecimento de Putin das repúblicas autoproclamadas significava que ele "consegue arcar com o custo de apoiar 3,5 milhões de pessoas geralmente pobres. Ele tem o impacto das sanções. Ele sai de Minsk 2, então desiste de seu plano para uma solução federal para a Ucrânia como um meio de parar seu movimento ocidental. E ele é visto internacionalmente como um bandido roubando território de outros países."


"Realmente isso só faz sentido é se este é o começo de algo maior e isso tudo é apenas sobre tentar provocar os ucranianos e o Ocidente em alguma contrarreação ilógica, e o que eu acho que está realmente acontecendo aqui, é que ele está construindo o caso para toda a guerra com a Ucrânia com a população russa, ", disse Ash.


(Este conteúdo foi publicado originalmente na CNBC)


Quer saber mais? Siga o Belém Negócios no Instagram e no Google News.

Comments


Últimas notícias

Publique uma notícia

bottom of page