top of page

Por Que Investidores Estão Pagando Milhões Por Terrenos No Metaverso

Snoop Dogg está construindo uma mansão virtual em um terreno virtual, e alguém recentemente pagou US$ 450.000 para ser seu vizinho


Por Que Investidores Estão Pagando Milhões Por Terrenos No Metaverso
Tikila Island

Não é segredo que o mercado imobiliário está subindo, mas a pandemia de Covid está criando outra corrida de terra pouco conhecida. De fato, alguns investidores estão pagando milhões por parcelas de terra - não em São Paulo ou Rio de Janeiro. Na verdade, os terrenos não existem fisicamente aqui na Terra.


Em vez disso, os terrenos estão localizada no mundo digital, em um conjunto de mundos virtuais que os insiders de tecnologia apelidaram de Metaverso. Os preços das parcelas subiram até 500% nos últimos meses desde que o Facebook anunciou que estava indo all-in em realidade virtual, e até mudando seu nome corporativo para Meta Platforms.


"O metaverso é a próxima iteração das mídias sociais", disse Andrew Kiguel, CEO da Tokens.com, com sede em Toronto, que investe em ativos digitais metaversos e não fungíveis relacionados a tokens.


"Você pode ir a um carnaval, você pode ir a um concerto musical, você pode ir a um museu", disse Kiguel.


Nestes mundos virtuais, pessoas reais interagem como personagens semelhantes a desenhos animados chamados avatares, semelhante a um jogo multiplayer em tempo real. Hoje, as pessoas podem acessar esses mundos através de uma tela normal de computador, mas Meta e outras empresas têm uma visão de longo prazo de construir mundos imersivos de 360 graus, que as pessoas acessarão através de óculos de realidade virtual como o Meta's Oculus.


Um relatório recente da gestora de ativos cripto Grayscale estima que o mundo digital pode crescer em um negócio de US$ 1 trilhão em um futuro próximo.


Aqui, grandes artistas, incluindo Justin Bieber, Ariana Grande e DJ Marshmello, estão se apresentando como seus próprios avatares. Até paris Hilton DJ'ed uma festa de Ano Novo em sua própria ilha virtual.


A empresa de Kiguel recentemente derrubou quase US$ 2,5 milhões em um pedaço de terra em Decentraland — um dos vários mundos populares do metaverso. "Os preços subiram de 400% a 500% nos últimos meses", disse Kiguel.


Outro mundo quente do metaverso é o Sandbox, onde a empresa virtual de desenvolvimento imobiliário de Janine Yorio, Republic Realm, gastou um recorde de US$ 4,3 milhões em uma parcela de terras virtuais.


Yorio disse à CNBC que sua empresa vendeu 100 ilhas privadas virtuais no ano passado por US$ 15.000 cada. "Hoje, eles estão sendo vendidos por cerca de US $ 300.000 cada, o que é coincidentemente o mesmo que o preço médio da casa na América", disse ela.


Um investimento arriscado


"O mundo digital, para alguns, é tão importante quanto o mundo real", diz o corretor de imóveis Oren Alexander, com sede em Miami, à CNBC. "Não é sobre o que você e eu acreditamos, mas é sobre o que o futuro faz."


Assim como a propriedade no mundo real, Kiguel diz que o metaverso é sobre três coisas: localização, localização, localização.


"Há áreas em que você entra pela primeira vez no metaverso onde as pessoas se reúnem - essas áreas certamente seriam muito mais valiosas do que as áreas que não têm nenhum evento acontecendo", disse Kiguel.


"Pense no jogo de tabuleiro Monopólio. Acabamos de comprar o Boardwalk e a área circundante", disse Kiguel. "Áreas onde as pessoas se reúnem são muito mais valiosas para anunciantes e varejistas encontrarem maneiras de entrar lá para acessar esse público."


Por exemplo, Snoop Dogg está construindo uma mansão virtual em um terreno em Sandbox, e alguém recentemente pagou US$ 450.000 para ser seu vizinho.


"Acho que importa quem é seu vizinho", disse Yorio. "Isso é meio que verdade em quase tudo, certo? É como um clube e você quer estar perto de pessoas que compartilham interesses semelhantes."


Comprar terras virtuais é muito simples — seja diretamente da plataforma ou através de um desenvolvedor. Os investidores constroem em suas terras e a tornam interativa. "Você pode decorá-lo, você pode mudá-lo, você pode renovar", diz Yorio. "É um código."


Mas Yorio adverte que investir em imóveis digitais é um negócio arriscado.


"[É] altamente, altamente arriscado. Você só deve investir capital que está preparado para perder", diz Yorio à CNBC. "É altamente especulativo. Também é baseado em blockchain. E como todos sabemos, a criptomoeda é altamente volátil. Mas também pode ser massivamente gratificante."


Mark Stapp, professor e diretor de teoria e prática imobiliária da Universidade Estadual do Arizona, concorda. "Eu não colocaria dinheiro nisso que eu não me importava em perder. Eu certamente não faria isso", diz Stapp. "Se continuar do jeito que está indo, provavelmente será uma bolha. Você está comprando algo que não está ligado à realidade.


(O conteúdo original está em CNBC)


Você já segue Belém Negócios no Instagram?

bottom of page