top of page

Por Que Elon Musk Quer Comprar O Twitter?

Entenda a saga Elon-Twitter. O que afinal o bilionário pretende?


Por Que Elon Musk Quer Comprar O Twitter
Foto: Jim Watson/AFP via Getty Images

Na quinta-feira, Elon Musk se ofereceu para comprar o Twitter por US$ 54,20/ação em um negócio avaliado em US$ 43 bilhões. Naturalmente, ele compartilhou o arquivamento da SEC — que descreve sua "melhor e última oferta" — em um tweet.


A notícia é a mais recente de uma saga musk-twitter em curso:

  • 4 de abril: Musk comprou uma participação de 9,2% no Twitter, tornando-o o maior acionista da empresa.

  • 5 de abril: O Twitter anunciou que Musk se juntaria ao conselho.

  • 10 de abril: Musk rejeitou a oferta para se juntar ao conselho.



Agora, Musk diz que quer tomar o Twitter como privado, o que ele acredita que permitiria que a plataforma servisse melhor ao "imperativo social" da liberdade de expressão por meio de políticas alternativas e um algoritmo de código aberto.


Musk é um tweeter prolífico, conhecido por falas brutas e piadas estimadas sobre banheiros e o número 69.


Ao longo dos anos, o Twitter tem lutado para crescer significativamente seus negócios, com suas ações quase planas para onde estava em 2013. A empresa agora vale ~$35B.


O patrimônio líquido de Musk aumentou para ~$259B durante a pandemia. Em entrevista após a notícia, ele disse que não "se importa com a economia" do Twitter.


Um insider do Twitter disse ao The Information que o conselho da empresa planeja combater a oferta.


A ideia de Musk


Em uma carta ao presidente do Twitter, Bret Taylor, Elon Musk disse que investiu no Twitter porque acredita "em seu potencial de ser a plataforma de liberdade de expressão em todo o mundo". Musk passou a afirmar que o Twitter não poderia "servir a esse imperativo social em sua forma atual", o que motivou sua oferta de tomar o Twitter privado com uma oferta em dinheiro de US$ 43 bilhões.


Vamos falar sobre a parte da "liberdade de expressão em todo o mundo". Porque ao promover a liberdade de expressão em todo o mundo é uma causa nobre, tomar o Twitter privado não abordará as questões fundamentais.


As empresas de mídia social - mesmo as privadas - devem permanecer nas boas graças dos governos para operar. Uma e outra vez, os governos ameaçam fechar plataformas de mídia social se não moderarem o conteúdo a seu gosto. Esta é uma verdade inconveniente no mundo da tecnologia; é o que as equipes de política da Big Tech significam quando dizem que estão "apenas seguindo a lei local".


  • Meta, por exemplo, esboçou essa política em seu relatório de transparência mais recente: "Quando algo no Facebook ou Instagram é relatado a nós como violando a lei local, mas não vai contra nossos Padrões comunitários, podemos restringir a disponibilidade do conteúdo no país onde ele é considerado ilegal."


  • Da mesma forma, o Twitter diz que seu objetivo "é respeitar a expressão do usuário, ao mesmo tempo em que leva em consideração as leis locais aplicáveis".



Isso acontece em todo o mundo, muitas vezes com pouca cobertura da mídia nos EUA. E para ser claro, os EUA têm seus próprios problemas com a aplicação da "liberdade de expressão", mas queremos nos concentrar na parte "em todo o mundo" hoje.


  • O governo da Índia, sob o primeiro-ministro Narendra Modi, pressionou com sucesso o Twitter para bloquear milhares de contas que apoiavam o protesto dos agricultores em Delhi, de acordo com o The Intercept. O governo teria ameaçado funcionários no Twitter com prisão por não atenderem aos pedidos.


  • Na Nigéria, grupos de direitos humanos pediram maior transparência no acordo do governo para restabelecer as operações domésticas do Twitter após uma proibição de 222 dias. A Nigéria bloqueou o Twitter das operações domésticas depois que a empresa excluiu o tweet do presidente Muhammadu Buhari que muitos interpretaram como um apelo à violência contra o grupo étnico Igbo. O Projeto de Direitos Socioeconômicos e Responsabilidade na Nigéria — um grupo financiado pela Fundação MacArthur — insinuou que a reintegração do Twitter poderia vir com termos que infringem a liberdade de expressão.


  • E na Turquia, o Twitter recebeu dezenas de milhares de pedidos legais de censura. O Twitter atendeu a 42% dessas demandas no primeiro semestre de 2021. Também reteve cerca de 2.600 contas, o que significa que as pessoas na Turquia não puderam ver o conteúdo postado por esses usuários. O presidente Tayyip Erdogan também tem um longo histórico de aprisionamento de jornalistas.


Musk não parece ter apetite para lidar com esses tipos de violações na liberdade de expressão. Em uma palestra ted ontem, Musk disse que o Twitter deve seguir as leis dos países em que opera. (Isso tem seus méritos — afinal, o Vale do Silício ditando princípios de discurso para o resto do mundo também não é exatamente "democrático". Musk disse que tem problemas com o Twitter "indo além disso, e não deixando claro quem está fazendo o que muda para quem e para onde, tendo tweets misteriosamente promovidos e rebaixados sem nenhuma visão do que está acontecendo, ter um algoritmo de caixa preta em algumas coisas e não para outras coisas".



Há uma maneira de ler as declarações de Musk que as torna consistentes: o Twitter poderia simplesmente deixar países que exigem censura. Isso é extremamente improvável, embora uma empresa privada teria mais margem de manobra para fazê-lo. Por outro lado, também parece cada vez mais improvável que Musk consiga comprar o Twitter em primeiro lugar. Sua proposta surpresa, pelo menos, nos fez falar sobre liberdade de expressão e o que o Twitter pode fazer para aumentar a transparência. Talvez Musk faça um "veja, isso é tudo que eu queria em primeiro lugar" quando tudo acabar.


Com informações de The Hustle e Protocol


Quer saber mais? Siga Belém Negócios no Instagram.

bottom of page