top of page
central-cop-30-belem-2025.gif

Os 10 Mais Ricos Do Mundo Dobraram A Riqueza Em Meio À Pandemia

Atualizado: 20 de jan. de 2022

Enquanto o mundo passa por uma crise injusta, os mais ricos veem suas contas rechearem ainda mais



Os 10 homens mais ricos do mundo dobraram suas fortunas durante a pandemia de COVID-19, à medida que a pobreza e a desigualdade subiam, revelou um estudo da Oxfam na segunda-feira.


A instituição de caridade, focada no combate à pobreza global, disse que as 10 fortunas dos homens mais ricos dispararam coletivamente de US$ 700 bilhões para US$ 1,5 trilhão (1,314 trilhão de euros), a uma taxa de cerca de US$ 1,3 bilhão por dia.


Enquanto as fortunas dos bilionários do mundo subiram, os mais pobres do mundo estão enfrentando circunstâncias ainda mais terríveis.


"Pestou-se que mais de 160 milhões de pessoas tenham sido empurradas para a pobreza", de acordo com o artigo "Inigualdade Mata", publicado antes da reunião do Fórum Econômico Mundial de Davos, que este ano está sendo realizada on-line devido à pandemia em andamento.


'Violência econômica destruindo o mundo'


O artigo da Oxfam afirmou que o aumento das desigualdades econômicas, de gênero e raciais, bem como a disparidade existente entre os países, "estão destruindo nosso mundo".

"Isso não é por acaso, mas por escolha: 'violência econômica' é perpetrada quando escolhas políticas estruturais são feitas para as pessoas mais ricas e poderosas. Isso causa danos diretos a todos nós, e às pessoas mais pobres, mulheres e meninas e grupos racializados", continuaram os autores do artigo.


"Nunca foi tão importante começar a corrigir os erros violentos dessa desigualdade obscena recuperando o poder e a riqueza extrema das elites, inclusive através da tributação - levando esse dinheiro de volta à economia real e salvando vidas", disse a diretora executiva da OxfamInternational, Gabriela Bucher.


"A pandemia de COVID-19 revelou abertamente tanto o motivo da ganância quanto a oportunidade por meios políticos e econômicos, pelos quais a desigualdade extrema se tornou um instrumento de violência econômica", acrescentou Bucher.


Zuckerberg e Gates veem a riqueza subir


Embora os preços das ações tenham caído drasticamente nos estágios iniciais da pandemia de coronavírus, os bancos centrais e governos de todo o mundo logo implementaram pacotes de estímulo, dando-lhes um impulso renovado.


À medida que as taxas de juros foram reduzidas para níveis baixos recordes e a oferta de dinheiro cresceu massivamente por meio de flexibilização quantitativa — o processo pelo qual os bancos centrais compram títulos do governo ou ativos financeiros, como ações, para investir mais dinheiro nas economias para aumentar a atividade econômica — os mercados de ações subiram.


Além disso, corporações de tecnologia como Amazon, Google e Facebook viram um enorme aumento nos lucros à medida que cada vez mais pessoas trabalhavam em casa e faziam suas compras on-line.


Os autores do artigo pediram restrições à riqueza extrema por meio de tributação progressiva, medidas comprovadas de quebra de desigualdade, bem como uma mudança de poder na economia e na sociedade.


A Forbes listou os 10 homens mais ricos do mundo como: Tesla e o chefe da SpaceX, Elon Musk, Jeff Bezos, da Amazon, os fundadores do Google Larry Page e Sergey Brin, Mark Zuckerberg, do Facebook, os ex-CEOs da Microsoft Bill Gates e Steve Ballmer, o ex-CEO Larry Ellison, o investidor americano


Questões metodológicas


A Oxfam baseou suas descobertas no Credit Suisse Global Wealth Report e na Forbes Billionaires List. O estudo da Forbes usa o valor dos ativos individuais, incluindo propriedades, terras e ações corporativas, menos dívidas, para ver o que as pessoas têm. Outras formas de renda não fazem parte da equação.


Essa metodologia também é empregada pela Oxfam ao determinar os níveis globais de pobreza. A metodologia foi alvo de fogo no passado, com alguns críticos argumentando que cria uma definição questionável de quem é pobre e quem não é.


Um dos argumentos postula que é difícil agrupar o nível de pobreza de um estudante que pode ter um alto nível de dívida de empréstimo estudantil com um agricultor de baixa renda na China.


jsi/rs (AP, AFP, dpa, Reuters)


Você já segue Belém Negócios no Instagram?

Comments


Últimas notícias

Publique uma notícia

bottom of page