top of page
central-cop-30-belem-2025.gif

Netflix Leva Xeque-Mate E Deve Responder Por Difamação

Uma frase "machista e falsa" dita por um comentarista no último episódio da aclamada série “O Gambito da Rainha” pode custar para a Netflix R$ 25 milhões


Netflix Leva Cheque Mate E Deve Responder Por Difamação
Imagem: Divulgação Netflix

"A Netflix perdeu uma tentativa de acabar com um processo de uma campeã de xadrez georgiana que diz ter sido difamada em um episódio de “O Gambito da Rainha”.


Em setembro, Nona Gaprindashvili processou a Netflix em resposta à fala de um comentarista de xadrez fictícia no final da série, que se refere a ela pelo nome e diz que ela é "a campeã mundial feminina e nunca enfrentou homens". Ela afirma que a declaração é falsa e machista.


Na quinta-feira, a juíza distrital dos EUA Virginia Phillips considerou que a gigante do streaming agiu com um "desrespeito imprudente" pela verdade, rejeitando argumentos de que não pode ser processada por difamação de pessoas reais em obras de ficção.


"Pelo contrário, o fato de a série ter sido uma obra fictícia não isola a Netflix da responsabilidade por difamação se todos os elementos de difamação estiverem presentes de outra forma", escreveu ela.


A série vencedora do Emmy narra a ascensão da fictícia enxadrista americana Elizabeth Harmon. O programa, que liderou o ranking de streaming por três semanas seguidas, culmina em Harmon batendo os melhores jogadores da Rússia na década de 1960 no auge da Guerra Fria.


A série é baseada em um romance de 1983 de Walter Tevi, mas faz referência a verdadeiros enxadristas, incluindo aquela a Gaprindashvili em uma cena que compara suas realizações com as de Harmon.


Em uma moção para rebater a queixa sob a lei anti-SLAPP da Califórnia, a Netflix argumentou que nenhum espectador teria entendido a linha para transmitir uma declaração de fato porque a série é ficção e "obras fictícias não têm obrigação com a verdade".


Mas Phillips decidiu que ela não está ciente de nenhum caso que impeça alegações de difamação pelo retrato de pessoas reais em obras fictícias. No entanto, vale a pena notar que esses tipos de casos muitas vezes terminam em uma perda para os assuntos infelizes, o que acaba por ser bom para a Netflix.


Aqui, apesar de alguns dos elementos fictícios da linha supostamente difamatória, o juiz disse que ela não pode ignorar que identifica Gaprindashvili pelo nome e que a série faz referência a pessoas reais e eventos.


"Isso não só fecha a lacuna entre associar o personagem supostamente fictício com a pessoa real, independentemente de os espectadores reconhecerem o nome do Demandante (como de fato, alguns fizeram), os espectadores podem razoavelmente ter acreditado que o comentário seja um desses detalhes históricos incorporados à Série", escreveu ela.


Quer saber mais? Siga o Belém Negócios no Instagram e no Google News.

Comments


Últimas notícias

Publique uma notícia

bottom of page