top of page

Mudanças Climáticas Tornarão O Café Mais Caro

Atualizado: 30 de jan. de 2022

O café pode se tornar mais escasso e mais difícil de cultivar, graças às mudanças no clima e na temperatura


Mudanças Climáticas Tornarão O Café Mais Caro
Imagem: Jakub Dziubak/Unsplash

O mundo pode perder metade de suas melhores terras de cultivo de café em um cenário de mudança climática moderada. O Brasil, atualmente o maior produtor de café do mundo, verá suas terras mais adequadas para o cultivo de café diminuir em 79%.


Essa é uma descoberta importante de um novo estudo de cientistas na Suíça, que avaliou os impactos potenciais das mudanças climáticas no café, caju e abacate. Todos os três são importantes culturas comercializadas globalmente, que são produzidas principalmente por pequenos agricultores nos trópicos.


O café é de longe o mais importante, com uma receita prevista de US$ 460 bilhões em 2022, enquanto os números do abacate e do caju são, respectivamente, US$ 13 bilhões e US$ 6 bilhões.


O café requer uma mistura complicada de condições de clima, terra e solo e não pode ser cultivado em qualquer lugar dos trópicos.


A principal mensagem do novo estudo é que as mudanças climáticas previstas provavelmente resultarão em declínios significativos na quantidade de terra adequada para o cultivo dessas culturas em algumas das principais regiões onde elas são cultivadas atualmente. Por sua vez, isso pode afetar tanto os produtores quanto os consumidores em todo o mundo.


Muitas áreas se tornarão menos adequadas para o café se houver mudanças climáticas moderadas (nem o pior nem o melhor cenário de emissões).


Até o momento, a maioria das pesquisas sobre os impactos futuros das mudanças climáticas sobre os alimentos se concentrou nas principais culturas básicas, como trigo, milho, batata e oleaginosas que são cultivadas em regiões temperadas. Isso refletiu a tendência dos cientistas do clima de se concentrar nos impactos potencialmente graves das mudanças climáticas nos ecossistemas temperados, especialmente devido à alteração dos padrões de temperatura e precipitação.


Em contraste, tem havido menos trabalho nos ecossistemas tropicais que constituem cerca de 40% da área terrestre global, onde mais de 3 bilhões de pessoas ganham a vida, com até 1 bilhão de pessoas a mais na década de 2050.


Os trópicos também sustentam vastos reservatórios de biodiversidade, bem como áreas para cultivar muitas culturas importantes que fornecem renda e alimentos para suas enormes populações humanas. A nova pesquisa confirma e amplia significativamente as descobertas do número relativamente pequeno de estudos existentes sobre café, caju e abacate.


Uma inovação importante no estudo é examinar os parâmetros da terra e do solo, além de fatores puramente climáticos, como temperatura e padrões de chuva. Isso permite que eles forneçam uma visão mais sutil de impactos futuros que podem alterar significativamente a adequação de algumas regiões tropicais para o cultivo de certas culturas devido a mudanças em fatores, como pH ou textura do solo.


O novo estudo complementa outras pesquisas recentes sobre o óleo de palma. Embora controverso e muitas vezes ligado ao desmatamento, o óleo de palma ainda é uma das culturas tropicais mais importantes em termos de nutrição humana, ajudando a alimentar mais de 3 bilhões de pessoas.


Colegas e eu revisamos recentemente várias análises de modelagem de como as mudanças climáticas podem afetar a incidência de doenças e a mortalidade geral no óleo de palma. A conclusão gritante foi que a mortalidade das árvores provavelmente aumentará significativamente após 2050, possivelmente acabando com grande parte da safra nas Américas. Além disso, previu-se que a incidência da principal doença da podridão do caule aumentaria drasticamente no sudeste da Ásia.


Surpreendente extensão e complexidade


Coletivamente, esses estudos estão começando a revelar a surpreendente extensão e complexidade dos impactos das mudanças climáticas e fatores associados em algumas das culturas mais cultivadas nos trópicos. É importante ressaltar que os impactos não serão distribuídos uniformemente e algumas regiões podem até se beneficiar das mudanças climáticas.


Por exemplo, partes da China, Argentina e EUA provavelmente se tornarão mais adequadas para o cultivo de café, assim como Brasil e Colômbia veem suas terras se tornarem menos adequadas. É provável que muitas dessas mudanças estejam agora “bloqueadas”, pelo menos pelo resto deste século, independentemente da resposta decepcionantemente lenta dos líderes globais em termos de redução das emissões de gases de efeito estufa.


Portanto, será necessário que nos adaptemos às mudanças em curso nos trópicos, por exemplo, mudando o cultivo de culturas específicas para diferentes regiões onde os impactos climáticos serão mais benignos. No entanto, parece provável que, sejam quais forem as medidas de mitigação adotadas, muitas culturas tropicais se tornarão mais escassas e, portanto, mais caras no futuro. (Fast Company)


Quer saber mais? Siga o Belém Negócios no Instagram e no Google News.

bottom of page