top of page
Belem-negocios-connection.gif

Equatorial vende linha de transmissão por R$ 714 milhões

Com endividamento elevado, estratégia é reciclar capital; empresa busca sócio para todo seu negócio de transmissão

Foto: Ueslei Marcelino

A Equatorial acaba de anunciar a venda da Intesa, dona de uma linha de transmissão que une Belém e Brasília, para uma empresa controlada pelo fundo de pensão canadense da CDPQ.


O ativo foi avaliado em R$ 714 milhões, incluindo dívida. A fatia em equity pode chegar a R$ 396 milhões. Desse total, R$ 319 milhões serão pagos no fechamento da operação e o restante está sujeito a cláusulas de desempenho.


Essa é a primeira venda de uma ativo de transmissão por parte da Equatorial. Num momento de endividamento elevado e juros elevados, a empresa já vinha sinalizando que pode se desfazer de alguns ativos mais maduros para reciclar caixa, ou seja, levantar capital para investir em outros projetos.


A Equatorial já mandatou o BTG Pactual [do mesmo grupo de controle da Exame] para buscar um sócio de perfil financeiro para o negócio de transmissoras. A ideia é replicar o modelo adotado pela Neoenergia, que no começo do ano trouxe o GIC, do fundo soberano de Cingapura, como sócio, com participação de 50% no segmento.


No comunicado divulgado hoje ao mercado, a Equatorial afirmou que a venda da Intesa “avançar na aceleração de sua trajetória de desalavancagem, adequando sua estrutura de capital a eventuais oportunidades nas avenidas de geração de valor em que atua”.


No fim do segundo trimestre, a Equatorial tinha uma dívida líquida de R$ 34 bilhões, equivalente a 3,8 vezes o Ebitda dos 12 meses. Os resultados do terceiro trimestre serão divulgados em 8 de novembro.


A Equatorial tem mais oito linhas de transmissão, que somam 3,2 mil quilômetros e R$ 1,3 bilhão em receita anual permitida (RAP). Desse valor, R$ 196 milhões referem-se à Intesa.


A Equatorial entrou na Intesa em 2017, comprando uma fatia de 51% que pertencia ao FIP Brasil Energia e tinha como sócias duas subsidiárias da Eletrobras, Eletronorte e Chesf. Os 49% restantes foram adquiridos em 2019.


Fonte: Exame


Leia Mais:

  • Descubra um novo jeito de fazer network e desenvolver novas habilidades com a Comunidade Belém Negócios

  • Faça parte do BlackStage, mentoria empresarial inédita no Norte do Brasil

  • Acompanhe todas as notícias do Belém Negócios, entre para o Grupo no WhatsApp

  • Belém Negócios lança iniciativa Oficina de Negócios, um ambiente exclusivo para quem quer começar a sua própria empresa


Commentaires


Últimas notícias

Publique uma notícia

bottom of page