top of page
central-cop-30-belem-2025.gif

Confira 8 cidades paraenses que integram o Mapa do Turismo Brasileiro

O acréscimo de mais 13 municípios ao mapa foi confirmado pelo Ministro do Turismo e pela Secretaria de Estado de Turismo.


Cachoeira do Rio Curuá Menu em Altamira

O Mapa do Turismo Brasileiro é um instrumento no âmbito do Programa de Regionalização do Turismo (PRT) que define a área, o recorte territorial a ser trabalhado prioritariamente pelo Ministério do Turismo para o desenvolvimento de políticas públicas. A participação no Mapa indica que o município está organizado em termos de ferramentas de gestão voltadas ao turismo, apto a uma série de vantagens para o desenvolvimento de políticas públicas e estímulo às áreas de infraestrutura, promoção, capacitação e gestão turísticas.


Em dezembro de 2023 o Pará possuía 36 munícipios no Mapa do Turismo com a inclusão de Ponta de Pedras, Breves, Almeirim, Xinguara, Santana do Araguaia e Augusto Corrêa. A partir de janeiro deste ano, o Estado passa a ter 50 municípios no Mapa


O Secretário de Estado de Turismo do Pará (Setur), Eduardo Costa, afirma que a "presença no Mapa confirma a organização municipal para a gestão do turismo, tornando-o apto para a captação de recursos em áreas como infraestrutura, promoção, capacitação e gestão turísticas”.


1 - Belém


A cidade de Belém (PA) surgiu com a ocupação da foz do rio Pará e da construção do Forte do Presépio e da primeira capela, em 1616, por Francisco Caldeira Castelo Branco e seus comandados. O objetivo era criar um sistema estratégico de expansão do império ibérico nas Américas.


Na capital paraense você pode aproveitar desde a culinária local, até o melhor da cultura e folclore do Estado. É possível fazer passeios pelo rio, assistir o pôr-do-sol em um cartão postal da cidade e aproveitar a noite paraense com muitos ritmos regionais.


Foto: Leandro Mendonça


2- Ananindeua


A cidade da Região Metropolitana de Belém, tem o seu nome originado da árvore Ananim de origem tupi. Ananindeua é a segunda cidade mais populosa do Estado e obteve o seu crescimento a partir da Estrada de Ferro Belém-Bragança.


No município é possível encontrar balneários, igarapés, parques, praças e a recém inaugurada Orla de Ananindeua.


Foto: RIcardo Amanajas e Prefeitura de Ananindeua


3 - Altamira


Altamira nasceu com a instalação da missão jesuíta Tavaquara, que serviu como ato fundador do município na década de 1750. A história de Altamira está muito conectada aos povos indígenas que habitavam e habitam até hoje o município, além das influências dos imigrantes europeus que se estabeleceram por lá.


O lugar foi oficialmente elevado à condição de povoado no dia 14 de abril de 1874. Nesse período, a atual Altamira sobrevivia, principalmente, graças à extração e à comercialização da borracha.


Altamira conta com mais de 20 cachoeiras naturais, muitas delas nascidas a partir do próprio Rio Xingu e de suas águas verdes e leito rochoso. Mas o Xingu é apenas um dos mais de 20 rios que cortam o território da cidade! Tudo isso faz com que as atrações naturais de Altamira sejam imperdíveis.


A cidade tem três praias permanentes, a Praia da Orla, a Massanori e a Assurini. Há, ainda, as praias fluviais sazonais, que aparecem somente durante o verão e encantam por suas águas mornas e esverdeadas. Além disso, a construção da Hidrelétrica de Belo Monte deu origem ao lago de Belo Monte, onde há diversas opções de atividades esportivas que podem ser aproveitadas pelos visitantes.


Fotos: Wilsom Soares e divulgação


4 - Aveiro


As origens do município remontam à época da formação de uma aldeia de índios Mundurucus, denominada tapajós-tapera, localizada à margem do rio Tapajós, e que alcançou grande progresso.


Essa aldeia obteve a denominação portuguesa de lugar de Aveiro, por ato do Governador e Capitão-general, José de Nápoles Tello de Menezes, em 23 de agosto de 1781, que nomeou, na mesma ocasião, o morador Francisco Alves Nobre para administrá-la.


No município está a localidade de Fordlândia, restos do que foi um fracassado projeto de plantação de seringueiras, às margens do Rio Tapajós, patrocinado por Henry Ford e propriedade da Companhia Industrial Ford do Brasil. De 1927 a 1945 a Ford gastou milhões de dólares no que seria uma cidade modelo norte-americana no coração da mata Amazônica.


Fotos: Marcus Santos, Ag. Pará e Getty Images


5 - Barcarena


Os primeiros habitantes foram os índios Aruans, os mesmos que, durante a colônia, foram catequizados pelos padres jesuítas. O povoado foi elevado, em 1758, à categoria de freguesia, sob a invocação de São Francisco Xavier de Barcarena, não havendo registros históricos mais exatos.


Segundo seus historiadores, o nome desses municípios se originou da presença, no assentamento populacional, de uma grande embarcação que havia sido batizada como “Arena”, e à qual os habitantes do lugar chamavam de barca. A junção das duas palavras fez com que a localidade ficasse conhecida com Barcarena.

Fotos: Ag. Pará, Harlom Oliveira e Paulo Cezar


6- Bragança


O município de Bragança fica localizado no Noroeste Paraense, mais especificamente na Região do Salgado. É uma das cidades mais antigas do Pará e é banhada pelo Rio Caeté.


A cidade é conhecida como "pérola do Caeté" e possui prédios históricos instalados nas ruas do município, tais como a Igreja de São Benedito, do século XVIII, a catedral de Nossa Senhora do Rosário, construída na segunda metade do século XIX, o Instituto de Santa Teresinha, entre outros, traduzem parte da sua história marcada pela colonização portuguesa.


Bragança também é conhecida pela Marujada, festividade que ocorre anualmente em dezembro em homenagem ao São Benedito, padroeiro da cidade.


Fotos: Roni Moreira, Tv Liberal, Raoni Figueiredo


7- Salinópolis



Salinópolis é um município paraense que fica a 3h horas de distância da capital do Estado. Salinas, como é popularmente conhecida, é uma cidade cheia de atrações e que tem sido destaque no verão paraense.


A cidade tem vários pontos turísticos, como as praias desertas na Vila de Cuiarana, o Lago da Coca-Cola, a Orla do Maçarico, a fonte de água mineral de Caranã, igarapés e dunas de areia.


Fotos: Roni Moreira, Prefeitura de Salinópolis e divulgação


8- Santarém



O município de Santarém é conhecido como Pérola do Tapajós e possui diversas belezas naturais e passeio para toda a família, como o pôr do sol na Orla de Santarém, de frente para o Encontro das Águas.


Ou curtir Alter do Chão, Ponta de Pedras, Catedral da Matriz de N. S. da Conceição, Casa da Cultura, Praça do Mirante, Parque Municipal, Bosque Vera Paz, Lago do Maicá, Orla da Vila Arigó, Ponta Grande, Ponta do Cururu, Floresta Nacional do Tapajós, Rio Arapiuns e tantos outros pontos turísticos.


Fotos: Daniel Simões, Agência Santarém e reprodução