top of page

Com investimento de R$ 926 milhões, Belém apresenta novo sistema de gestão de resíduos

A nova empresa, responsável pela gestão de resíduos sólidos, terá 90 dias para se instalar efetivamente. A concessão será em modelo Parceria Público Privada (PPP) e o contrato tem 30 anos de duração


Com investimento de R$ 926 milhões, Belém apresenta novo sistema de gestão de resíduos
Foto: Fernando Sette/Comus

Na última quinta-feira, dia 18, foi apresentado o novo sistema de gestão de resíduos sólidos da capital paraense. Após 14 anos, Belém vai poder contar com um novo sistema de coleta, tratamento adequado à legislação ambiental,  entre outros aspectos que devem transformar em um modelo moderno e eficiente.


A cerimônia foi realizada no Palácio Antônio Lemos e contou com a presença do prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, do presidente da Ciclus Amazônia, Luiz Gomes e várias autoridades.


"Esse sistema é uma revolução, pois Belém mudará completamente com essa nova coleta e tratamento. A Prefeitura realizou um estudo minucioso e baseado neste estudo foi realizada a licitação. Agora temos uma empresa que vai fazer esse trabalho intenso de coleta, além de atuar com os catadores", explicou o prefeito Edmilson Rodrigues. 


Novo modelo, moderno e sustentável

Durante a coletiva de imprensa, que apresentou o novo sistema de gestão dos resíduos sólidos, a gestão municipal explicou como o novo modelo será implantado ainda este ano de 2024 pela empresa Ciclus Amazônia, formada a partir do consórcio vencedor da licitação municipal, composto pelas empresas Terraplena Ltda, CS Brasil e Promulti Engenharia e Infraestrutura e Meio Ambiente Ltda


Serão 90 dias para a nova empresa se instalar efetivamente. A concessão tem o objetivo de gerar aproximadamente 3 mil postos de trabalho na capital.


"A Ciclus está empenhada em entregar a Belém o melhor sistema de coleta de resíduos possível. A população pode esperar uma total dedicação ambiental", destacou o presidente da Ciclus Amazônia, Luiz Gomes. 


Novo sistema será responsável por receber quase 3 mil toneladas de resíduos por dia

A concessão será em modelo de Parceria Público-Privada (PPP) e o contrato tem 30 anos de duração. A empresa será responsável pela coleta, varrição, implantação de ecopontos, recuperação da área do Aurá e implantação de novo aterro sanitário bioenergético, com capacidade para receber, por dia, mais de 2,95 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos. Tudo será de responsabilidade do novo sistema gerido pela Ciclus Amazônia. O contrato prevê um investimento de R$ 926 milhões ao longo dos 30 anos.


A nova empresa, responsável pela gestão de resíduos sólidos, terá 90 dias para se instalar efetivamente. A concessão será em modelo Parceria Público Privada (PPP) e o contrato tem 30 anos de duração
Foto: Joyce Ferreira/Ag.Pará

Cooperativas

O prefeito Edmilson Rodrigues explicou que as cooperativas de catadores terão uma atenção especial com o modelo de gestão dos resíduos da capital paraense. Atualmente, existem 12 cooperativas em Belém e que conseguem coletar apenas 2% do que é produzido pela população. Com o novo sistema, a meta, em três anos, é ter 10 vezes mais o número de cooperativas e atingir 20% de coleta de material reciclável.


"As cooperativas serão parte do novo sistema e mais valorizados. Essa é a nossa estratégia e está previsto na licitação. O consórcio terá a obrigação de valorizar as cooperativas e novas poderão surgir e mais trabalhadores poderão atuar", explicou Edmilson Rodrigues. 

Todo esse processo se iniciou em 2021, com estudos profundos, lembrou a titular da Secretaria Municipal de Saneamento, Ivanise Gasparim. "Recebemos uma cidade onde há 13 anos não recebia concorrência para o lixo. Fizemos um estudo de dois anos, com equipes da Sesan, estudiosos daqui do Pará e de fora do estado. Foi este estudo que baseou todo esse sistema que está sendo apresentado hoje", ressaltou a secretária.


Ag. Belém


Leia Mais:

bottom of page