top of page

A onda de processos contra Google e Facebook

Duas das maiores empresas de tecnologia do mundo estão em águas quentes. Uma chuva de processos judicias as atinge de cheio e isso não tende a acabar bem - para ambas

Em algum momento desta semana, espera-se que Mark Zuckerberg renomeie o Facebook para refletir as ambições da empresa como uma empresa metaversa.


Em consonância com esta notícia, a FB anunciou em seus ganhos que vai obter receita de sua linha de negócios VR/AR (Facebook Reality Labs).


Essas mudanças vêm no meio da última rodada dos Papéis do Facebook - uma série de documentos internos condenatórios fornecidos pela denunciante Frances Haugen.


Os documentos do Facebook takeaways:


  • Tempestade do Capitólio: Durante as eleições presidenciais dos EUA em 2020, o Facebook colocou em prática 22 medidas para impedir a disseminação do discurso que incitava a violência. Muitas dessas medidas de segurança foram deixadas de lado no início dos distúrbios do Capitólio de 6 de janeiro.

  • Discurso de ódio na Índia: O sistema de moderação de conteúdo do Facebook na Índia está falhando em impedir conteúdo incendiário. Algumas dessas questões têm a ver com a falha de seu algoritmo em lidar com línguas não-inglesas.

  • Perder usuários jovens: O engajamento adolescente no Facebook e instagram está diminuindo. Embora a maioria das redes sociais eventualmente lide com o envelhecimento dos usuários, há perguntas sobre como o Facebook está ajustando sua ferramenta para mantê-los a bordo.

O Facebook refuta que gasta recursos significativos - mais de 40 mil funcionários e US$ 13 bilhões - para moderar sua plataforma e não prioriza lucros "em detrimento da segurança ou bem-estar das pessoas".


Dor de cabeça antitruste do Google



Enquanto isso, o principal concorrente do Facebook está enfrentando grandes questões sobre seu modelo de negócios. De acordo com o The Wall Street Journal, um processo não redigido por procuradores-gerais do estado mostra que o Google recebe de 22%a 42% das transações em sua rede de anúncios (2-4x de trocas digitais concorrentes).


Uma thread viral no Twitter destaca outras alegações do processo:


  • O Google tinha um acordo de anúncio com o Facebook que era "tão ilegal" que os documentos têm "uma seção inteira descrevendo como eles vão se cobrir se alguém descobrir".

  • As trocas de anúncios do Google são manipuladas "para que o Google vença em lances onde eles não são os maiores licitantes".

  • A tentativa do Google de transformar a web em um jardim murado forçando logins com o navegador Chrome.

A posição dominante do Google no negócio de anúncios é descrita por um funcionário como: "A analogia seria se goldman [Sachs] possuísse a NYSE [Bolsa de Valores de Nova York]."


Se essas alegações forem verdadeiras, aumenta a probabilidade de uma forte ação antitruste contra a gigante das buscas. Tendo já se renomeado como Alphabet em 2015, o Google terá que encontrar outra tática para desviar a atenção. (The Hustle)

bottom of page