top of page
central-cop-30-belem-2025.gif

A Europa Pode Estar Indo Para O Fim Da Pandemia, Diz OMS

Após terceira onda, encabeçada pela ômicron, região vislumbra o fim da pandemia


A Europa Pode Estar Indo Para O Fim Da Pandemia, Diz OMS
Foto: Ida Gulbaek Arentsen/Ritzau Scanpix/AFP

"É plausível que a região esteja caminhando para uma espécie de fim da pandemia", disse Hans Kluge à AFP em uma entrevista, acrescentando que a Ômicron poderia infectar 60% dos europeus até março.


Uma vez que a atual onda de ômicron que varre toda a Europa diminua, "haverá por algumas semanas e meses uma imunidade global, seja graças à vacina ou porque as pessoas têm imunidade devido à infecção, e também diminuindo a sazonalidade".


"Prevemos que haverá um período de silêncio antes que o Covid-19 possa voltar no final do ano, mas não necessariamente a pandemia voltando", disse Kluge.


O cientista norte-americano Anthony Fauci expressou otimismo semelhante no domingo, dizendo ao talk show "This Week" da ABC News que, com os casos de Covid-19 caindo "bastante acentuadamente" em partes dos Estados Unidos, "as coisas estão indo bem".


Ele disse que, se a recente queda nos números de casos em áreas como o nordeste dos EUA continuasse, "acredito que você começará a ver uma reviravolta em todo o país".


O escritório regional da OMS para a África também disse na semana passada que os casos de Covid haviam despencado naquela região e as mortes estavam diminuindo pela primeira vez desde que a quarta onda do vírus, dominada pela ômicron, atingiu seu pico.


Outras variantes ainda podem aparecer


A variante ômicron, que estudos têm mostrado ser mais contagiosa que delta, mas geralmente leva a infecções menos graves entre as pessoas vacinadas, levantou esperanças há muito esperadas de que o Covid-19 está começando a mudar de uma pandemia para uma doença endêmica mais controlável como a gripe sazonal.


Mas Kluge advertiu que ainda era muito cedo para considerar Covid-19 endêmico.


"Fala-se muito sobre meios endêmicos, mas endêmicos... que é possível prever o que vai acontecer. Esse vírus surpreendeu mais de uma vez, então temos que ter muito cuidado", disse Kluge.


Com a ômicron se espalhando tão amplamente, outras variantes ainda poderiam surgir, alertou.


O comissário europeu para os mercados internos, Thierry Breton, cujo resumo inclui a produção de vacinas, disse no domingo que será possível adaptar as vacinas existentes a quaisquer novas variantes que possam surgir.


"Seremos capazes de resistir melhor, inclusive a novas variantes", disse ele à televisão francesa LCI.


"Estaremos prontos para adaptar as vacinas, especialmente as do mRNA, se necessário, para adaptá-las a variantes mais virulentas".


Na região da OMS Europa, que compreende 53 países, incluindo vários na Ásia Central, o ômicron representou 15% dos novos casos em 18 de janeiro, em comparação com 6,3% uma semana antes, disse o órgão de saúde.


Foco em 'minimizar a interrupção'


Ômicron é agora a variante dominante na União Europeia e na Área Econômica Europeia (EEE, ou Noruega, Islândia e Liechtenstein), disse a agência de saúde da UE ECDC na semana passada.


Devido à rápida disseminação da variante pela Europa, Kluge disse que a ênfase deveria ser em "minimizar a interrupção de hospitais, escolas e economia, e colocar enormes esforços na proteção dos vulneráveis", em vez de medidas para parar a transmissão.


Enquanto isso, ele instou as pessoas a exercer responsabilidade pessoal.


"Se você não se sente bem, fique em casa, faça um autoteste. Se você for positivo, isole", disse.


Kluge disse que a prioridade era estabilizar a situação na Europa, onde os níveis de vacinação variam entre países de 25 a 95% da população, levando a diferentes graus de tensão nos hospitais e no sistema de saúde.


"Estabilizar significa que o sistema de saúde não está mais sobrecarregado devido ao Covid-19 e pode continuar com os serviços essenciais de saúde, que infelizmente foram realmente interrompidos para câncer, doenças cardiovasculares e imunização de rotina".


Questionado se a quarta dose seria necessária para acabar com a pandemia, Kluge foi cauteloso, dizendo apenas que "sabemos que essa imunidade salta após cada dose da vacina".


A pandemia já matou cerca de 5,6 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo dados oficiais compilados pela AFP, 1,7 milhão delas na Europa.


(AFP)


Você já segue Belém Negócios no Instagram?

Comentários


Últimas notícias

Publique uma notícia

bottom of page